segunda-feira, 20 de abril de 2015

Ônibus é incendiado em Punaú


Um Ônibus foi incendiado na noite desta quarta-feira 15/04, na rua Antonio malta em Punaú, de frente a casa do motorista Josa, o Ônibus era transporte Escolar do município de Dom Marculino, segundo populares o Ônibus pertencia ao empresário Sebastião, 

O ônibus ficou completamente destruído. O motivo e autoria do crime serão investigados pela polícia.

Expansão universitária ameaçada

Nos últimos cinco anos, o ingresso dos potiguares no Ensino Superior aumentou em 44,5%. Parte deste acréscimo foi alavancado, porém, pelas instituições de ensino privadas (IES). De acordo com dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), o estado foi o 5º do Nordeste em número de matrículas na rede privada, em 2013. O “boom” veio com a reestruturação do Fundo de Financiamento do Ensino Superior (Fies), em 2010 – desde então, mais de 30 mil contratos de financiamento foram firmados no RN. Inconsistências no programa, bem como as recentes mudanças nas regras de acesso, têm causado temor a estudantes e instituições. O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) admite que há limitações no número de contratos para 2015, e as IES já falam em fechamento de turmas. As inscrições no programa seguem até 30 de abril.

Glaucia Viviane Barbosa, de 21 anos, é uma potiguar que está fora das estatísticas do Fies. Desde o primeiro semestre de 2013.1, ela tenta aprovar o financiamento do curso de Direito.  Nascida em Serrinha, município do Agreste potiguar, Gláucia mudou-se para a capital em 2012 para entrar no ensino superior. Até então, o programa de financiamento do Governo Federal funcionava no RN e em Alagoas sob força de liminar, que desbancava a exigência de fiador para o financiamento. Porém, com a queda da decisão judicial no ano seguinte, foi preciso ir até o banco – foi quando o problema começou.


“Consegui minha avó como fiadora, depois de muita luta. Mas de 2013 para cá o banco continua recusando, alegando que não foi informado formalmente da queda da liminar. Liguei para o FNDE várias vezes, e da última vez me pediram para mandar uma carta”, conta a estudante. A situação de Gláucia, porém, se agrava. Hoje no sétimo período do curso, ela esbarra no último prazo concedido pela instituição onde estuda para que resolva o problema. “Até agora não aditei. Estou tentando resolver, ir atrás, mas o último prazo é dia 30. Se não tiver como (resolver) vou ter que parcelar”, acrescenta.

A dívida da estudante chega a R$ 14.660 – até agora. O financiamento contratado pela é de 50% do valor total do curso. O restante foi concedido por bolsa do Programa Universidade Para Todos (ProUni). Estagiária em um escritório de advocacia, Glaucia mora com uma tia em Natal. A bolsa-estágio, de R$ 400, não custeia sequer a mensalidade do curso. “Mesmo que eu termine o curso não sei se vou colar grau, só posso ir até onde a instituição me deixar ir”, acrescentou. Na Facex, quase todos conhecem o drama vivido pela estudante. 

“Ninguém da minha família é graduado. Eu poderia ter ficado lá, ter casado e estar com três filhos a essa altura, mas preferi lutar. O Fies ajudou, no começo fiquei feliz. Agora sei que estou devendo, mas não vou desistir”, disse a estudante. “Se já estou devendo é melhor terminar”, brincou.

O Fies foi lançado oficialmente ainda no governo Fernando Henrique Cardoso, em 1999. Permitia financiamento de até 100% da graduação. Entretanto, se tornou bandeira em 2010, quando o Ministério da Educação anunciou a reestruturação do programa, com a queda da exigência de fiador para os estudantes de baixa renda, diminuição do juros para 3,4% ao ano e financiamento em qualquer época do ano. Entretanto, portaria ministerial publicada em 29 de dezembro do ano passado mudou as regras de acesso ao programa.

Desde que as inscrições foram abertas, em fevereiro, o MEC afirma que já foram realizadas 210 mil inscrições. Entretanto, alunos continuam como dificuldade em completar a matrícula no SisFies, como é o caso de Janaína Oliveira, de 23 anos. Estudante de Nutrição na Universidade Potiguar (UnP), há três meses ela tenta firmar contrato. “Já cheguei a última etapa e deu errado. Diz que a instituição está com limite de vagas”, comenta.

Operação Tiradentes: PRF intensifica fiscalização nas rodovias federais do RN

A Polícia Rodoviária Federal iniciou na manhã na sexta-feira (17) a Operação Tiradentes 2015. Até a terça-feira (21), policiais rodoviários federais reforçarão o policiamento e a fiscalização nas principais rodovias federais do estado, a exemplo do que aconteceu no último feriadão da semana santa. Nessa operação o efetivo terá um incremento de 25 %.

A fiscalização tem como objetivo principal, coibir os comportamentos de risco durante a viagem como: ultrapassagens proibidas, excesso de velocidade e o uso de bebida alcoólica por motoristas em trânsito.

A PRF também estará atenta a circulação dos veículos de duas rodas e alerta aos motociclistas para que, além das condutas citadas, sempre utilizem o capacete.

Na próxima terça feira 21/04/2015, a fiscalização será mais intensa das 16:00 às 24:00. O órgão ainda prepara a Operação do Feriadão do Trabalhador entre 30 de abril e 3 de maio.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Caixa confirma aumento dos juros

Brasília (AE) - A Caixa Econômica Federal, que detém quase 70% do crédito imobiliário no País, aumentou, pela segunda vez no ano, as taxas de juros das operações para financiamento de imóveis residenciais contratadas com recursos da poupança. As novas taxas passaram a ser aplicadas nos imóveis que foram financiados desde segunda-feira, 13 de abril. As novas regras foram antecipadas pela TRIBUNA DO NORTE em reportagem publicada na última sexta-feira, dia 10.

O banco, porém, só confirmou que subiu os juros ontem. A instituição respondeu, em nota, que o aumento de 0,3 pontos porcentuais nas taxas foi motivado pela alta dos juros básicos da economia - a Selic, atualmente em 12,75%, patamar decidido há mais de um mês. A última vez que o banco estatal tinha subido os juros do crédito habitacional foi em janeiro, após congelamento que durou todo o ano de 2014.

Como a Caixa é líder isolada no segmento, alterações nas taxas praticadas pelo banco são seguidas pelos concorrentes. O aumento também impacta no ritmo de atividade da construção civil. Para Miguel José Ribeiro, da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), “este movimento deverá ser seguido pelos demais bancos, já que a Selic vem apresentando elevação, frente a um ambiente de maior inflação”.

Maior financiadora da habitação no País, a Caixa afirmou, em nota, que, mesmo com o ajuste, continuava oferecendo as melhores taxas do mercado no âmbito do Sistema Financeiro Habitacional (SFH) - imóveis de até R$ 750 mil em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal; nos demais Estados, o teto é de R$ 650 mil. No entanto, as taxas do Banco do Brasil para financiamentos de casas acima desses valores são menores do que as da Caixa, que optou por não fazer ajustes nessa linha.

Juros
Na Caixa, a taxa balcão - para consumidores sem relacionamento com o banco - subiu de 9,15% ao ano para 9,45%; para quem já tem relacionamento com o banco (quem é correntista, por exemplo), os juros subiram de 9% para 9,3%. Os clientes que ainda recebem pelo banco pagam taxa de 9%, ante 8,7% definida em janeiro. Essa é a mesma taxa de servidores públicos que são correntistas do banco. Para os servidores públicos que além de correntistas recebem pela instituição, a Caixa cobra juros de 8,8% nos financiamentos desde segunda-feira, ante 8,5% de janeiro.

O valor total do financiamento de R$ 500 mil em 30 anos ficou R$ 46,5 mil mais caro para os consumidores que não são clientes da Caixa e pagam a taxa balcão. Cada uma das 360 parcelas mensais passou de R$ 3.937,07 para R$ 4.066,36, de acordo com os cálculos da Anefac. Para os outros tipos de financiamento, o impacto do aumento nas taxas variou de R$ 30 mil a R$ 45 mil nessa mesma simulação.

A Caixa informou que as taxas dos financiamentos contratados com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), que incluem os do programa Minha Casa, Minha Vida, não sofreram reajuste.

Operação desarticula quadrilhas que atuavam em tráfico de drogas e roubos

A Polícia Civil deu início, nas primeiras horas desta sexta-feira (17), à Operação Labirinto para cumprimento de 35 mandados de busca e apreensão e 20 mandados de prisão em diversos bairros de Parnamirim. A Operação, que conta com o apoio da Polícia Militar e usa o helicóptero Potiguar 1, tem como objetivo desarticular quadrilhas de tráfico de drogas e roubos. 

Ao todo, 336 policiais, entre civis e militares, estão envolvidos na ação, divididos em mais de 50 viaturas. Uma estrutura com delegacia e Centro de Comando Móveis foi montada em frente à 1ª Companhia de Polícia Militar, no bairro Cohabinal, em Parnamirim, para dar apoio à operação.

De acordo com a Polícia Civil, a operação foi batizada de Labirinto em alusão a forma como se deram às investigações, que partiram de denúncias relacionadas ao tráfico de drogas na região. Posteriormente, ainda segundo o órgão, foram identificados outros tipos de crimes relacionados aos suspeitos, como  homicídios, além de roubo  e desmanche de veículos.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Polícia Civil de Touros prende traficantes

A equipe da Delegacia de Polícia Civil de Touros, cumprindo ordem de missão para investigar denúncia de tráfico de drogas, oriunda do Disque Denúncia da SESED, 181, autuou em flagrante delito por tráfico e associação para o tráfico as pessoas de SÍLVIO MÁXIMO DE OLIVEIRA e DARCIEL VICENTE FERREIRA, que foram surpreendidos na Praia de Cajueiro, fazendo o comércio ilegal dos entorpecentes, nesta segunda-feira(13).
Foi apreendido em poder dos autuados, R$-216,00 fracionado, 04 tabletes de maconha e 19 pedras de crack.
Trabalhando com seriedade, a Polícia Civil também encaminhou a Delegacia de Polícia alguns usuários que confirmaram terem adquirido entorpecentes das mãos dos autuados. 

Ligação de orelhões da Oi no RN e mais 14 estados será gratuita, diz Anatel

As ligações locais feitas para telefones fixos em orelhões da Oi em 15 estados não poderão ser cobradas a partir desta quarta-feira (15). A decisão foi tomada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), depois que a operadora não atingiu o patamar mínimo de disponibilidade nesses estados.

A medida vale para os estados  de Alagoas,Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Maranhão,Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná,Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul,Santa Catarina e Sergipe.

Procurada pelo G1, a Oi informou que "cumpre a determinação da Anatel de conceder a gratuidade em chamadas para telefones fixos locais feitas a partir de sua rede de telefonia pública nos 15 estados indicados pela agência reguladora.  A medida é temporária e permanecerá em vigor até que os patamares de disponibilidade de orelhões nestes estados estejam nos níveis indicados pela Anatel".
Do G1